terça-feira, 8 de maio de 2012

o agora.

Compulsão, ansiedade, medo... um milhão de pensamentos, idéias, suposições. Cartas na manga para o caso de nada dar certo e tudo fugir do controle.

É complicado viver à deriva, com as velas recolhidas. É difícil viver na incerteza que é este marzão chamado “vida”. Ora te impulsiona com força para frente, ora te ameaça com violentas ondas, com vento e chuva, isso quando as ondas não se mesclam às torrentes de lágrimas que me caem dos olhos, provocadas por essa angústia que é a incerteza.

Conto os dias, rabisco planos. Faço contas, escrevo versos. Construo expectativas por uma coisa que não sei em quê se baseia, talvez porque haja alguma necessidade neste meu interior de acreditar em alguma coisa.
Castelos de areia ao sabor do vento.

3 comentários:

Ivy. disse...

"Castelos de areia ao sabor do vento" sei como são! :)

Carlos Xavier disse...

Você sabe desenhar com palavras... um verdadeiro dom!!!

Myrlla Bittencourt disse...

"Construo expectativas por uma coisa que não sei em quê se baseia, talvez porque haja alguma necessidade neste meu interior de acreditar em alguma coisa." Amei essa parte. Nunca pare de escrever (: